Sabe como funciona o controle do concreto por amostragem total. Então, leia o artigo e saiba mais!

Avaliar a qualidade do concreto é fundamental para garantir que a estrutura seja resistente, durável e segura, além de evitar muitos problemas. Esse controle pode ser feito por meio de amostragem que pode ser total ou parcial. Neste artigo, você vai entender melhor como é feito o controle do concreto por amostragem total.

Como é feito o controle do concreto por amostragem total?

A retirada de amostras ocorre em cada lote. Elas devem ser coletadas de forma aleatória durante o processo de concretagem. Existem dois tipos de dosagem: a parcial e total.

A amostragem parcial trata-se de coletas feitas de apenas algumas betoneiras. No entanto, na amostragem total, os exemplares são retirados em cada concretagem. Assim, todas as betonadas são verificadas e representadas por uma métrica que define sua resistência à compressão. 

Essa amostragem total é geralmente feita quando o concreto é produzido em uma central, em caminhão betoneira. Afinal, já a parcial é retirada em concreto virado em obra.

Na amostragem total, cada exemplar é, normalmente, composto por dois corpos de prova (CP1 e CP2). Dessa forma, os exemplares são levados a um laboratório onde são rompidos após 28 dias, após o resultado de todos, será levado em conta o exemplar que tem maior valor de resistência à compressão.

O que pode ser determinado após os resultados das amostragens?

Quando o resultado dos cálculos revela uma resistência à compressão maior ou igual ao que o projeto determina, o concreto é aceito. Sendo assim, caso contrário, será necessário levar a um especialista em cálculo estrutural para determinar as razões do acontecimento e quais ações podem ser tomadas.

Gostou do que leu sobre controle do concreto por amostragem total? Então, assine nossa newsletter e receba novos conteúdos na sua caixa de entrada!